Home / Entretenimento / Qual é o futuro da TV?

Qual é o futuro da TV?

Qual será o futuro da TV? Já parou para pensar sobre isso? Como serão as TVs do futuro, como será a audiência. Como empresas como a NET TV farão para se reinventar? Você se senta no sofá, olha para a TV e rola pela tela procurando algo para entretê-lo.

Mas se o passado nos diz alguma coisa, fica claro que a forma como obtemos nosso entretenimento está em constante evolução. Então, de que maneira podemos esperar nos entreter nos próximos 20 anos?

Para descobrir, falamos com 5 especialistas do setor e perguntamos o seguinte: Qual o futuro da TV? Confira abaixo as respostas.

Dra Rabab Ward, Presidente da Sociedade de Processamento de Sinais do IEEE

No futuro, as TVs fornecerão maneiras de os espectadores aparecerem” dentro “do programa que estão assistindo. Um ótimo exemplo disso é a televisão de ponto de vista livre – usando o processamento de sinal para criar visualizações onde não há câmeras, a televisão de ponto de vista livre permite que os usuários alterem a perspectiva da câmera durante a reprodução de vídeo.

Isso praticamente traz os usuários para a cena e permite uma visualização 3D realista. A televisão de ponto de vista livre poderia revolucionar a maneira como vivenciamos a mídia, quebrando a barreira entre o espectador e o sujeito ”.

Seth Shapiro, CEO da New Amsterdam Media, LLC e autor de TELEVISION

Nós testemunhamos uma progressão de mudança maciça na natureza do consumo de TV: de transmissão (uma rede) para cabo (centenas de redes) para vídeo on-line e serviços“ over the top ”(efetivamente um número infinito de redes, com shows sob demanda).

No futuro, podemos esperar ainda mais opções. Estas incluirão: 1. opções com preços mais baixos (para as redes que o consumidor realmente deseja); 2. mais acesso via telefone e dispositivos digitais; e aumento das escolhas sob demanda.

Essa tendência começou com o Netflix, foi expandida pelo Hulu e pelo Amazon Prime e cresceu para incluir opções como o Playstation VUE da Sony.

Nos próximos 10 a 15 anos, espere que a maior parte do consumo de TV aconteça não nas TVs, mas no agregado de telefones, tablets, laptops e consoles de videogame.

Com essa mudança, veremos mais ênfase em recursos como mecanismos de recomendação, favoritos e vários logins para membros de uma mesma família. Também veremos a exibição da TV sem nenhuma tela física, já que a visualização de vídeo em realidade aumentada já está começando a ser explorada.

Gil Becker, CEO da Anyclip

A TV tradicional mostrou uma surpreendente resiliência à enorme mudança de paradigma impulsionada pela onipresença digital, no entanto, serviços como o serviço de streaming de TV do YouTube, anunciado recentemente, continuarão surgindo, atraindo os consumidores como alternativas sem propaganda, se não livre de anúncios.

Para permanecer vital, a mudança deve acontecer, o que exigirá que todos, na cadeia de valor atual, deixem de repousar na predominância do passado, rejeitem o status quo e adotem a transformação.

Nos próximos anos, esperamos ver uma colaboração maior, com produtores de conteúdo e distribuidores trabalhando em conjunto com os desenvolvedores de tecnologia. O resultado será mais iterações dinâmicas e personalizadas de redes de TV tradicionais que podem ser personalizadas em um nível mais micro.

À medida que essa mudança acontece, a publicidade que suporta a criação e a distribuição de conteúdo, assim como essas mudanças, trará novas formas de publicidade que sejam mais eficazes e amigáveis ​​ao público ”.

Gilles Domartini, CEO e fundador da Cleeng

A TV a cabo linear e tradicional está enfrentando dificuldades com a introdução de serviços inovadores, como o Netflix, o Sling TV, Now da NET TV e, agora, o YouTube TV. Será possível também consultar a net segunda via pelo seu controle remoto, sem sair da frente da TV ou precisar pegar o seu celular, como hoje.

As tecnologias OTT estão afetando seriamente a distribuição de conteúdo e permitem o novo modelo Direto ao Consumidor. A tendência irá acelerar nos próximos 10 anos, com mais emissoras e titulares de direitos indo direto.

A visualização de conteúdo está mudando rapidamente para dispositivos de mídia móveis e de streaming, e a “segunda tela” acabará se tornando “primeira tela”.

O desaparecimento da TV tradicional não significa que a transmissão ao vivo esteja morrendo. O vídeo ao vivo cria um engajamento de público incrível e incomparável. Obviamente, uma vez que os líderes de mercado aprimorem essa experiência com mídias sociais, interação instantânea e enriquecimento de dados, ela torna a Internet a plataforma perfeita para muitas verticais, especialmente esportes.

À medida que a tecnologia avança e o comportamento dos espectadores muda, o vínculo entre esportes e OTT se torna cada vez mais forte ”.

Melinda McLaughin, CMO do Extreme Reach

A TV e o vídeo estão convergindo em ritmo acelerado e os consumidores, acostumados a visualizar o conteúdo na tela e o dispositivo de sua preferência, distinguem cada vez menos as duas formas, embora a indústria ainda planeje, compre e os tome em silos. Uma década ou mais, a partir de agora, as linhas entre TV e Vídeo deixarão de existir.

Atrevo-me a dizer que talvez nem mesmo usemos o termo “TV” e todos assistiremos a “Vídeo”. Nesse mundo totalmente convergente, o conteúdo suportado por anúncios será interativo e o engajamento do consumidor será mensurável até mais granular de detalhes.

Os profissionais de marketing finalmente se beneficiarão da promessa de toda essa transformação digital e será possível construir um alcance massivo com facilidade e com as capacidades de segmentação e insight que a nova realidade digital pode oferecer.

 

Sobre o Autor:

I´m Vasconcelos. Meu nome é Vasconcelos e escrevo para o ADPARK, sou brasileiro e vivo em São Paulo. Formei-me em Comunicação Social pela UNINOVE. Trabalhei anos como freela especializado Internet e agora estou escrevendo para diversos o blogs.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *